sexta-feira, janeiro 19

EUGÉNIO DE ANDRADE

Eugénio de Andrade (Fundão, Póvoa de Atalaia, 19 de Janeiro de 1923 — Porto, 13 de Junho de 2005)

Li hoje a notícia. O Eugénio de Andrade está muito doente
Uma notícia não desfaz o mundo nem o inexorável destino.
Peguei num livro e os teus poemas límpidos como a água
Perto da nascente correram pela minha face como gotas
Salgadas que se desfaziam nas letras cerzidas a ouro que
Soletrei com um olhar subitamente luminoso vendo-te
De pé no lugar do poeta que se deixa tomar pela beleza.

Li hoje a notícia. É verdade. A pena parou de garatujar
Versos claros, transparentes, amorosos, mais que perfeitos.
“A beleza não é lugar de perfeição.” Retrato de Actriz (Eunice)
Nemésio (Vitorino): “Ninguém te lê os versos, tão admiráveis
Alguns, e a prosa não tem muitos leitores, …” Admirável
Admiração a tua fazendo belo o mundo à volta, talentosos
Os outros, admiráveis se tu os sonhaste belos por dentro.

Li hoje a notícia. Um velho livro de poemas de Federico.
Ao teu jeito português foi o primeiro que li dele. A paixão
Desabrida em sangue cigano escorrendo pelos lábios
Sedentos de um amor implacável que ardia em chamas.
Soube o que era a Espanha mais por ele e por ti juntos
Do que por mil e uma travessias de fronteiras que além
De nós tinham o encanto das mulheres que se assumiam.

Li hoje a notícia. Já sabia que havias de adoecer um dia.
E o anúncio ao menos evita que alguém amigo te faça
O que fizeste ao Sena: “É por orgulho que já não sobes
As escadas? Terás adivinhado...” Senti ternura. A mão
Escapuliu-se-me e tomou o lugar do coração que pulsou
Mais depressa agarrando tudo o que havia por perto
Fazendo uma concha de terra florida para te guardar.

A voz. Li hoje a notícia. Aguardo a tua despedida tal
Como se fosse a de um familiar íntimo perto de mim.
Seguro a tua mão ouço o suspirar do teu corpo no fim
Conheço os teus versos mas não sei se será suficiente.
E me interrogo que farão da tua memória os vindouros.
Não foste fonte de poder nem encantador de serpentes.
Simplesmente poeta. Quanto baste para não ser gente.

Lisboa, 7 de Junho de 2004

sábado, janeiro 13

NOVAS LIDERANÇAS

Interrogo-me muitas vezes acerca do que me parece ser uma peculiaridade do capitalismo português: ser um capitalismo sem capitalistas. O coração do capitalismo, a banca, está deserto de capitalistas portugueses. Todos os bancos, com exceção da CGD (Público), da Caixa de Crédito Agrícola (Cooperativo)e do Montepio (Mutualista), são maioritariamente detido por capital estrangeiro. Os capitalistas portugueses, os ditos privados, têm vindo a buscar outras paragens e tornaram-se, quanto muito, filantropos mais para efeitos de marketing do que para promoção do bem comum. Os liberais, paradoxalmente, clamam pelo apoio do Estado, enquanto exploram as suas falhas, e os seus grupos de reflexão (e pressão) estão retirados em parte incerta, ou ensaiando guerrilha comunicacional. No dia da eleição do novo líder do PSD fico curioso por conhecer o núcleo duro do programa económico/social do PSD que o distinga do programa do PS. Um enigma para desvendar nas próximas semanas!

domingo, janeiro 7

Pelo 1º aniversário da morte de Mário Soares

Pode pensar-se o que se quiser, ser afável (ou feroz) adversário, admirador incondicional ou simpatizante complacente, Mário Soares será dos raros nomes, senão o único, que ficará na memória coletiva na história do século XX português.

sábado, janeiro 6

O FUNERAL DE ALBERT CAMUS - 6 de JANEIRO DE 1960


Le 6 janvier 1960, une foule d´anonymes et quelques amis se retrouvent devant la grande maison de Lourmarin où le corps d´Albert Camus a été transporté dans la nuit. Quatre villageois portent le cercueil que suivent son épouse, son frère Lucien, René Char, Jules Roy, Emmanuel Roblès, Louis Guilloux, Gaston Gallimard et quelques amis moins connu, parmi lesquels les jeunes footballeurs du village. Le cortège avance lentement dans cette journée un peut froide et atone de ce « pays solennel et austère – malgré sa beauté bouleversante ».

Devant le caveau, Francine Camus jette une rose sur le cercueil. Le maire prononce une courte allocution et le silence n´est troublé que par le bruit de la terre sue le bois de la bière.

L´heure est de recueillement. Les communiqués officiels, les télégrammes affluent. Tous unanimes dans l´hommage et l´affliction conjugués.

Les temps ont changé, et ils sont nombreux, les détracteurs d´hier qui saluent aujourd´hui la disparition de celui aux côtés duquel ils avaient obstinément refusé de marcher. Celui qui, au terme de tant d´attaques et de malveillance, avait choisi de s´enfermer dans un douloureux silence.

Les premiers tirs étaient venus de gauche, et plus particulièrement du parti communiste qui ne pardonnait pas à cet ex-compagnon de route de prendre du recul, de regarder en face certaines réalités. De dire l´intolérable : le stalinisme, les camps, les idéaux mis au pas par des tyrans de l´histoire.
In Les Derniers Jours de la vie d´Albert Camus, José Lenzini, Actes Sud

quarta-feira, janeiro 3

Pelo aniversário da morte de Albert Camus

1960 - No dia 3 de janeiro, Camus parte da sua casa de Lourmarin, onde havia passado o fim de ano, de regresso a Paris, no Facel Vega conduzido por Michel Gallimard. Francine Camus fizera a viagem de comboio na qual deveria ter sido acompanhada por Camus; no dia seguinte, no prosseguimento da viagem, o carro despista-se, numa longa reta, em Villeblevin, perto de Montereau, embatendo num plátano, provocando a morte imediata de Camus e, cinco dias mais tarde, a de Michel Gallimard. Na pasta de couro de Camus, encontrava-se, além de diversos objetos pessoais, o manuscrito de Le Premier Homme, um romance inacabado, cento e quarenta e quatro páginas que sua mulher Francine haveria de dactilografar e sua filha, Catherine, fixaria em texto, publicado pela Gallimard, na primavera de 1994.

segunda-feira, janeiro 1

1 JANEIRO 2018

Primeiro dia de um novo ano. O mais notável das conversas da passagem do ano, no que toca à política, foi a ausência do tema das finanças públicas. É uma novidade absoluta face aos anos anteriores (muitos) e deve-se, como sempre, à improvável conjugação de fatores. Juros abaixo do que seria expetável, politica de compra de divida seguida pelo BCE, astuta, e competente, gestão orçamental de Centeno em contexto de estabilidade politica interna, reconhecimento pela UE de que, afinal, existe alternativa às politicas orientadas pela ortodoxia liberal. Ao que dizem os especialistas, que se enganam muitas vezes, somente lá para os idos de 2019/2020 poderá ocorrer alteração significa face ao cenário atual. Ainda para mais os sinais de instabilidade politica estão do lado de Espanha, Alemanha e Itália (para ser minimalista)assumindo Portugal um papel novo na cena europeia e internacional o que só para os que desconhecem a história é facto inédito. Os dois factos mais relevantes dos últimos tempos foram as eleições de Guterres (ONU)e Centeno (EUROGRUPO) a que se seguirá a de Vitorino (OIM). Os nossos problemas não resultam de continuarmos a ser um país periférico (a geografia tem diversas leituras), mas da incapacidade (ou dificuldade)em criar elites com massa critica para encetar, de forma consequente, um verdadeiro processo de modernização inovador do nosso modo de viver e produzir riqueza. Não vale a pena embarcar nos visões conservadoras isolacionistas (anti europeias e anti globalização), nem nos cantos de sereia dos diversos populismos que estão associados aos velhos slogans salazaristas. O caminho do progresso passará sempre por afirmar Portugal como parceiro ativo, cosmopolita, num mundo aberto. Novo ano, novas esperanças.

sábado, dezembro 30

POPULISMOS

Neste breve interregno do trabalho (tornei-me obsessivo com o trabalho) em vésperas do final do ano - nada mais que uma marca no calendário - dou comigo a pensar que o maior perigo do nosso tempo são os populismos. De manifestações sociais filhas de ressentimentos, desilusões, pilhagens, misérias e injustiças, assumem-se cada vez com maior expressão politica. Os populismos são a antecâmara da tirania seja qual for a sua ideologia - de esquerda ou de direita, assumindo-se, ou não, com a defesa em todo o esplendor de seus horrores. Os exemplos estão à vista com suas legiões de propagandistas e doutrinadores de todas as qualidades e graus.