terça-feira, abril 24

25 DE ABRIL - SEMPRE (2)

Por esta hora neste dia, 24 de abril de 1974 (era uma 4ª feira), estaria no quartel, já informado que havia chegado o dia. Com os companheiros de armas mais chegados – António Cavalheiro Dias e João Mário Anjos – entramos em estado de prontidão para o que desse e viesse. Outros, por diversas vias, estariam também alerta. Já não me lembro com precisão quem terá sido o mensageiro, certamente, um oficial do quadro permanente. Conversas e contactos discretos, temperatura primaveril, tensão crescente sem contra ordens. Acertámos encontrarmo-nos, quando se aproximasse a noite, em casa do Cavalheiro Dias, em Benfica. Ao final da tarde saí do quartel, devo ter passado por casa e de seguida fui a casa do Ferro Rodrigues, na Travessa do Ferreiro, avisá-lo(s). O Sporting jogava para as competições europeias, se não erro, com uma equipa da Alemanha de Leste. Tudo parecia, apesar da tentativa falhada do 16 de março, bastante inverosímil. Um golpe de estado militar? Uma revolução? Regressei a Benfica, sempre em transportes públicos, para me juntar aos companheiros de armas. A espera valeu a pena. Seguiu-se a madrugada mais longa, e inesperada, da minha vida. Muitos haviam lutado, sem sucesso, pelo advento da liberdade e, finalmente, fez-se-lhes justiça. Lembro o General Humberto Delgado.

Fotografias de Carlos Gil

domingo, abril 22

25 DE ABRIL, SEMPRE!

Hoje, em 1974, era uma segunda feira. Devo ter entrado no quartel, no Campo Grande, em Lisboa, de manhã cedo. Por esses dias falava-se de forma mais ou menos aberta que alguma coisa estaria para acontecer. Quem cumpria o serviço militar obrigatório - no meu caso desde outubro de 1971 - sabia, ou tinha a perceção, que o regime - 48 anos após o 28 de maio de 1926 - iria sofrer o derradeiro golpe. Faço muitas vezes uma analogia com a vida de meu pai, nascido em 1910, que só conheceu a cor da liberdade aos 63 anos de idade. Se o movimento militar que foi desencadeado na quarta feira seguinte, dia 25 de abril de 1974, não fosse bem sucedido seria mais uma desilusão de consequências imprevisíveis. Naqueles últimos dois dias viveu-se num frenesim pejado de ansiedade. Tinha a idade que o meu filho tem hoje e, pela conjugação de uma vasta constelação de circunstâncias, coube-me a felicidade de ter participado no movimento que devolveu a liberdade aos portugueses. Mesmo em beneficio daqueles que, ainda hoje, dela dispondo a combatem. A melhor forma de contrariar os inimigos da liberdade é cerrar fileiras na defesa do regime democrático, das suas instituições representativas, em particular das que se constituem através de eleições livres. São mil vezes preferíveis os defeitos de um regime fundado em eleições livres, do que as "virtudes" da uma ordem fundada no silêncio e na obediência aos ditames de uma tirania.

Fotografia de Hélder Gonçalves

segunda-feira, abril 16

NAQUELA NOITE - O ATAQUE

Quando no passado sábado escrevi acerca de "UM PEQUENO PROBLEMA - AS AMEAÇAS DE GUERRA" não sabia que poucas horas depois os USA+GB+FR iriam desencadear um ataque militar contra alvos escolhidos na Síria. Por acaso nessa noite de sábado adormeci tarde. Li bastante acerca da guerra, os clássicos, e não aprecio a guerra. O que a história nos ensina, sem necessidade de altos estudos acerca do tema, é que, através da guerra, sempre esteve em jogo o controle das rotas, a superioridade no acesso às matérias primas, e sua exploração, em suma, o domínio dos espaços. Hoje em dia não sei se ainda será assim. Como disse Francisco, O Papa, o tempo é superior ao espaço. O que julgo saber deste ataque cirúrgico mostra-nos algumas características, aparentemente, surpreendentes: o ataque não provocou vitimas humanas (assim parece), tendo como alvo fábricas de produção de armas químicas não há notícia de libertação de gazes (dizem que as misseis utilizados impedem essa libertação), as "forças do mal" ultimavam, por esses dias, a eliminação de um reduto que ninguém desmente ser dominado por radicais (terroristas?), salvo Macron, May e Trump precisam desesperadamente de criar focos poderosos de distração para as crises no exercício do seu poder interno, ...
Sejam quais forem as razões trata-se de uma nova abordagem da guerra pelas potências ocidentais, tendo como certo que a Rússia, por razões estratégicas, jamais deixará cair a Síria chiita, aliada do Irão chiita, sendo certo também que a Rússia, tal como a aliada China, jamais serão derrotadas militarmente salvo se algum louco, em lugar de comando, desencadear uma guerra nuclear letal para todos.

sábado, abril 14

UM PEQUENO PROBLEMA - AS AMEAÇAS DE GUERRA

Ontem, ou seja, por estes dias de abril de 2018, surgiram, de forma expressa, referências a ameaças de guerra a partir da sempre presente crise no Médio Oriente. Não é matéria que se possa menosprezar nas atuais circunstâncias do mundo e das lideranças politicas das potências (USA e Rússia).
Ao contrário do que afirmam certos comentaristas não é pelo facto de se expressarem as ameaças, às claras, que a guerra não ocorrerá. E a ocorrer, a guerra nos nossos dias, poderá ser letal não somente numa região do mundo mas a nível global.

domingo, abril 8

LULA

Não conheço nada do processo que conduziu à indiciação de Lula e à sua prisão. Hoje em dia, com tudo o que oiço pelas notícias, não acredito em nada que não conheça. Não sei, pois, nada deste processo judicial mas assisti ontem ao discurso de Lula.

Pode ter sido o último discurso público de Lula. Pode existir uma multidão que o abomine como politico. Pode o discurso politico ter-se banalizado e perdido o prestígio de outros tempos. Pode Lula ser culpado ou inocente, o seu discurso autêntico ou manipulador. Mas ao ouvi-lo, no contexto em que foi proferido, estamos perante um momento raro, e extraordinário, da história politica de todos os tempos.

quarta-feira, abril 4

SUBSÍDIOS

A luta pelos subsídios públicos é das coisas mais tristes das nossas sociedades em todos os tempos. Os critérios para atribuir subsídios exigem um jogo de cedências e de cálculos que, em regra, rebaixam a ética republicana. É muito fácil o mérito ceder ao favor. Deveria existir um portal para exposição pública de todos os subsídios concedidos pelo Estado a entidades, seja qual for a sua natureza, e a particulares. É uma questão de justiça e de transparência que nada prejudicaria a concessão de subsídios justos.

sexta-feira, março 30

As notícias são muito desanimadoras

As notícias que nos chegam do mundo são muito desanimadoras. As potências vigiam-se mutuamente e ensaiam manobram de intimidação na disputa dos espaços vitais a todos os níveis. Fica-se com a sensação de estarem em curso manobras de pré guerra sem que o comum dos mortais seja capaz de escapar a um cada vez mais forte sentimento de insegurança. Não me refiro a situações em concreto pois estou certo que, por detrás das que são noticiadas, avulta uma realidade desconhecida das opiniões públicas. As ameaças à paz são sempre acompanhadas pela degradação das democracias e pela limitação das liberdades. O movimento em curso pode não desembocar numa guerra convencional pois não sabemos como se desenhará a guerra do futuro. Ou se não estará já em curso, no presente, a guerra do futuro. As notícias que nos chegam do mundo são muito desanimadoras.

quarta-feira, março 21

Tudo vai correr bem

No momento em que foi tornado público que o Eduardo Ferro Rodrigues, amigo indefetivel de longa data, vai ser operado, os meus desejos de que tudo corra pelo melhor. E assim vai ser. Republico um texto de 11 de Abril de 2007 que lhe foi dedicado. Perdoar sim, esquecer nunca!

Na nossa sociedade, porventura em todas as sociedades, pairam no ar bandos de abutres tristes. O que mais os excita é o sangue que vislumbram no chão da vida com suas miras telescópicas. Os abutres crentes em Deus, acreditando na vida para além da morte, estão em vantagem. Os que acreditam acima de tudo na vida humana, eivada de suas vicissitudes terrenas, preocupam-se com as pedras. O título de um poema que publiquei dias atrás – “Fidelidade à Terra” – contém todo um programa que organiza a filosofia de vida daqueles que, como eu, acreditam num mundo sem Deus mas que não abdica do Sagrado.

O que mais impressiona na nossa vida pública é a capacidade de persuasão dos “media”, oráculos da verdade indesmentível sobreposta à realidade dos factos e, ainda mais, ver desfilar as legiões silenciosas dos crentes na representação da verdade falsificada. Como se a vida pública fosse uma cenografia pela qual desfila um imenso elenco de actores – primeiras figuras e figurantes – dos quais se espera que representem os papéis que os poderes mediáticos lhes impõem e destinam.

Todo o enredo foi escrito algures por alguém que aparece a público, com o rosto encoberto, sob anonimato, travestido de outrem, podendo mesmo ser assumido amigo companheiro e camarada, vertendo, gota a gota, no ar a insídia na qual se respira a trama que elimina a confiança e torna inânime a autoridade até à sua destruição final. Os abutres tristes de ontem correm sérios riscos de morrer às mãos dos abutres tristes de hoje.

Só há uma profilaxia radical para a perfídia na vida pública que todos os clássicos descrevem, com apurada argúcia e fino detalhe, – Nicolau Maquiavel – é afastarmo-nos dela sem desprezo pela coragem dos homens públicos que, afrontando os horrores da voracidade dos abutres tristes, tentam mudar a vida dos povos e das nações e que, por norma, são devorados pelas suas próprias obras e ambição. Mas, ao menos, que sejam capazes de dar aos cidadãos de boa vontade exemplos de sublime humildade ou de sábia abdicação.

(Com uma dedicatória ao Eduardo Ferro Rodrigues.)